comunicados

Chefe Forças Armadas diz que vai para reforma dentro de três anos

Bissau, 06 jun (Lusa) – O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, António Indjai, afirmou hoje que pretende reformar-se dentro de três anos para se dedicar à política no PAIGC, partido que diz ser “dos veteranos de guerra” como ele.

António Indjai falava hoje na sede do parlamento para cerca de uma centena e meia de veteranos de guerra por ele convocados para uma explicação sobre os “verdadeiros motivos” do golpe de Estado de 12 de abril passado que ele próprio liderou.

“Toda gente sabia o que se passava no regime do ‘Cadogo’ [primeiro-ministro deposto, Carlos Gomes Júnior], mas muita gente que está no PAIGC [Partido Africano da Independência da Guiné e Cabo Verde, no poder até ao golpe] não dizia nada. Ficava tudo calado porque recebiam dinheiro dele. Acham normal que um antigo combatente (veterano de guerra) ganhe uma pensão mensal de 14 mil francos CFA (21 euros) enquanto governantes ganhem um subsídio de milhões?”, questionou Indjai.

“Não tenho nem dinheiro nem conta em nenhum banco deste mundo” – António Indjai

06 de Junho de 2012, 16:47

Bissau, 06 jun (Lusa) – O chefe das Forças Armadas da Guiné-Bissau, António Indjai, alvo de sanções da comunidade internacional e de congelamento de bens no exterior, desafiou hoje a que seja a revelada a sua conta bancária em qualquer parte do mundo.

“Não tenho nem dinheiro nem conta em nenhum banco deste mundo. Se alguém souber de uma conta minha na Guiné, em África, na Europa ou em qualquer parte deste mundo e se encontrar lá 25 francos CFA [três cêntimos] que a apresente porque lhe dou um milhão de francos CFA [cerca de 1500 euros] “, afirmou António Indjai.

O chefe das Forças Armadas guineenses falava num encontro que manteve hoje em Bissau com cerca de centena e meia de veteranos de guerra da independência do país, no parlamento, aos quais explicou os verdadeiros motivos do golpe de Estado militar de 12 de abril por ele protagonizado.

“Sei que há muita gente do atual PAIGC [partido no poder até ao golpe de Estado militar de 12 de abril] que está feliz com as sanções que me estão a dar, mas desafio quem quer que seja a apresentar a minha conta bancária. O meu salário nem me chega para ter dinheiro”, destacou António Indjai.

Como represália pelo golpe de Estado, 25 oficiais das Forças Armadas guineenses, entre os quais António Indjai, estão proibidos de viajar para os países da Europa comunitária e da União Africana.

A ONU decretou a proibição de viajar para 192 países do mundo a seis oficiais militares e ainda o congelamento dos seus bens.

A 04 de maio, a União Europeia também anunciou uma lista de sanções, encabeçada pelo chefe de Estado-Maior General das Forças Armadas da Guiné-Bissau, general António Indjai, e incluía ainda os generais Mamadu Ture “N’Krumah”, Augusto Mário Có, Estêvão na Mena, Ibraima (“Papa”) Camará e o tenente-coronel Daba Na Walna.

A lista da UE foi depois atualizada a 31 de maio com mais 15 nomes.

MB.

via PÁGINA GLOBAL: GUINÉ-BISSAU: COMPACTO DE NOTÍCIAS.

Anúncios

UPDATE 2-EU says does not recognise Bissau interim government | News by Country | Reuters

Thu May 31, 2012

* Interim gov’t may be taking orders from army, EU says

* EU adds more Bissau military brass to sanctions list

* Angolan troops seen withdrawing by next week (Recasts with new information, details throughout)

BISSAU, May 31 (Reuters) – The European Union said on Thursday it does not recognise the recently-formed caretaker government in Guinea-Bissua which appears to be taking orders from the military junta.

The West African state, a narcotics trafficking hub to Europe, has been in turmoil since soldiers seized power on April 12, derailing a presidential election in the latest of a string of coups since independence from Portugal in 1974.

The junta said on May 22 it was handing power over to a civilian transitional government, led by regionally-backed interim President Manuel Sherifo Nhamadjo and charged with setting new elections within 12 months.

“The transitional government is not the result of a democratic process and is not inclusive,” Alexandre Polack, a spokesman for EU foreign policy chief Catherine Ashton told Reuters by email.

“Furthermore, it seems to remain under the control of the armed forces. Under the present circumstances, it is not possible to envisage the recognition of the transitional government,” he said.

The EU said in a statement it had strengthened sanctions against the junta, adding 15 individuals to a list of six banned from entering EU territory and subject to a freeze of their assets within the bloc.

The EU moves could prove an embarrassment to West African regional bloc ECOWAS, which brokered the transition deal, which has also been criticized by the United Nations and the CPLP grouping of Portuguese speaking countries for failing to adhere to a ‘zero tolerance’ policy for coup leaders.

An ECOWAS official was not immediately available to comment.

Western diplomatic sources said the ECOWAS deal had rewarded the coup leaders with the removal of election front-runner Carlos Gomes Junior, who the junta said had been plotting with Angola to “annihilate” the Guinea-Bissau military.

Gomes Junior, a former prime minister who supported efforts to reform the military and combat drugs cartels using the country as a transhipment point for Latin American cocaine bound for Europe, was briefly detained in the coup and has since fled to Portugal. He has said he hopes to return to rule.

“The EU has imposed sanctions on the members of the military junta as they threaten security and stability in Guinea-Bissau,” Ashton said in the statement. “We continue to demand that constitutional order be immediately restored.”

ANGOLANS TO WITHDRAW

A 600-strong ECOWAS force, made up mainly of Nigerian troops, has been deployed to Guinea-Bissau to oversee the transition back to democratic rule, and replace a contingent of Angolan soldiers preparing to withdraw.

The 270-strong Angolan force will begin withdrawing next week, an Angolan official said on Thursday. The mission had been camped out in a Guinea-Bissau hotel since early 2011 when it was invited by the former government to help reform the military, notorious for coups and suspected by the United States and others of being involved in drugs trafficking.

Guinea-Bissau soldiers attacked the home of Gomes Junior and detained him on April 12, days before a presidential run-off election that he was poised to win. The junta said it removed Gomes Junior because he had a deal with Luanda to “annihilate Guinea-Bissau’s armed forces”.

Some of Gomes Junior’s allies – former army chief of staff Jose Zamora Induta, former interior minister Fernando Gomes, and former election commission chief Desejado Lima Dacosta – have fled to Gambia where they have been arrested.

The CPLP grouping and the United Nations have expressed frustration over ECOWAS’s failure to press the junta to reinstate the ousted government and complete the disrupted election process.

EU development aid to Guinea-Bissau has been suspended since the military mutiny, but humanitarian aid and direct support to the population have not been affected.

ECOWAS and the U.N., which have also imposed sanctions on the junta leaders, said armed forces chief Antonio Indjai was behind the putsch. The junta denied this, saying Indjai had been deposed in the coup. (Reporting by Alberto Dabo in Bissau and Richard Valdmanis in Dakar; Additional Reporting by Sebastian Moffett in Brussels; Writing by Richard Valdmanis; Editing by Diana Abdallah)

via UPDATE 2-EU says does not recognise Bissau interim government | News by Country | Reuters.

High Commissioner for Human Rights urges new transitional authorities and military in Guinea Bissau to respect Human Rights | ReliefWeb

Report— UN Office of the High Commissioner for Human Rights

HARARE – United Nations High Commissioner for Human Rights Navi Pillay has taken note that on 22 May the Military Command in Guinea Bissau handed over power to a transitional civilian government, following the signature of a political agreement and a transitional political pact.

Ms. Pillay remains concerned about the continued instability in Guinea Bissau following the 12 April coup d’état, and worried by the reports of human rights violations which have been committed, including violent repression of a peaceful demonstration, looting and arbitrary detention of civilians. “Anyone who has committed violent or excessive acts must be held accountable,” she said.

“I cannot stress enough the importance of full respect for the fundamental human rights of freedom of movement and expression, as well as peaceful association and assembly,” the United Nations Human Rights chief said. “The transitional government has a clear duty to ensure that all human rights are fully respected and protected in the country, including the right to security and safety of those who need to return to their homes”. “I hope that, with the establishment of a transitional government, the right of individuals to free movement will be guaranteed,” the High Commissioner said. She urged the authorities to withdraw a list reportedly circulated by the Military Command containing the names of 57 people forbidden to leave the country until further notice.

Ms. Pillay noted that any restriction on a person’s right to leave the country based on political considerations, rather than legitimate limitations, could be a violation of the International Covenant on Civil and Political Rights, which Guinea Bissau ratified in December 2010.

The Covenant states that a person’s right to leave any country, including his or her own, can only be restricted in very specific circumstances.

Finally, the High Commissioner welcomed the release on 27 April of Mr. Raimundo Pereira and Mr. Carlos Gomes Junior, arrested and kept in detention in the aftermath of the 12 April coup d’ etat, as a result of mediation efforts by the Economic Community of West African States.

Ms. Pillay is currently undertaking the first ever mission by a United Nations Human Rights chief to Zimbabwe, ending today Friday 25 May.

UN Human Rights, country page – Guinea-Bissau:

For more information or media requests, please contact Xabier Celaya (+ 41 22 917 9383 / xcelaya@ohchr.org).

via High Commissioner for Human Rights urges new transitional authorities and military in Guinea Bissau to respect Human Rights | ReliefWeb.

GBISSAU.com | Guiné-Bissau: Notícias, Actualidades e Opiniões

Comando Militar considera inoportuna a intenção da FRENAGOLPE de apelar à desobediência civil

Posted on 05/23/2012 by admin

…E desafia Iancuba Djolá Indjai para um debate televisivo em cadeia com as radios nacionais

Iancuba Djola Indjai, Secretário executivo da FRENAGOLPE

Bissau – O Comando Militar considerou terça-feira como “inoportuna” a intenção da FRENAGOLPE de apelar à desobediência civil contra o golpe de estado.

No encontro de imprensa que permitiu anunciar o seu regresso para as casernas, o porta-voz do Comando militar, tenente-coronel Daba Na Walna, teceu duras críticas ao líder da Frente Nacional Anti-Golpe (FRENAGOLPE), Iancuba Djolá Indjai.

“Eu vou me referir ao caso da FRENAGOLPE, a qual durante todo esse tempo não tem feito outra coisa senão instigar as pessoas para saírem à rua, instigar as pessoas para a desobediência civil, instigar as pessoas para criar o pânico, para criar a confusão entre o povo”.

“Mas, eu vou dizer às pessoas que a CEDEAO resolveu o problema. Ela nos mostrou o campo aonde as pessoas têm que sentar para discutir. Espaço existe aonde as pessoas sentar-se para discutirmos nós todos como irmãos até chegarmos a entendimento”, adiantou.

“A Guiné conheceu sempre momentos de sobressaltos, mas ela sempre soube resolver seus problemas. Este não é o fim de mundo, sentemo-nos para conversarmos. Agora, aqueles que instistem na lógica de conflito e de confrontação pedindo a que as pessoas saiam à rua poderão vir a ser considerados como desordem”, advertiu.

“Ora, falando concretamente de Dr. Iancuba Indjai, que está na FRENAGOLPE, ele nos causa alguma estranheza ter homem como Iancuba, que as vezes toca as palmas ao golpe de estado e outras vezes ele é o maior adversário do golpe de estado. Eu não sei aonde é que ele aprendeu a democracia que as pessoas não aprenderam”, criticou mais.

“O Iancuba Indjai foi vice-presidente do Conselho nacional de transição, que surgiu na sequência do golpe contra o Kumba Ialá”, lembrou Na Walna.

Este porta-voz do Comando Militar esclareceu ainda factos sobre a candidatura de Carlos Gomes Jr a presidência da república.

“Existem mortes ocorridas no país; o Nino morreu, o Tagme morreu e até hoje nenhum julgamento foi feito. Essa Resolução do Conselho de Segurança 1949 o que é que diz? Nós acabamos de fazer esta coisa, fomos para Bruxelas, o que é foi dito lá? Uma das exigências que Bruxelas colocou é que o julgamento terá de ser feito. No roteiro da cimeira de Abuja o que é que consta dele? A garantia de que o julgamento terá de ser feito e constou o calendário. Ora, em vez de o julgamento de ser feito, assistimos à uma corrida desenfreada da parte do Primeiro-ministro, que era objeto de acusação ao cargo de presidente da república. Por que é que ele queria ser presidente? Para ele poder gozar da imunidade presidencial. A nossa leitura é essa, o primeiro-ministro não tem imunidade nenhuma. Por isso ele quis ser presidente da república para não ser aborrecido na certeza de ser levado a julgamento. Isso ninguém conseguiria”, destacou.

Sobre as acusações do ministro português dos NE, Paulo Portas, de os militares guineenses serem traficantes da droga, Na Walna questiona de quem é o responsável da empresa que controla as entradas e saidas da droga no país.

“Com relação ao Paulo Portas em Portugal, que nos chama como traficantes da droga, nós o questionamos de quem é a pessoa que tem a empresa no aeroporto de Bissau, que controla todas as bagagens em trânsito? É bem ele o responsável pela segurança das bagagens. Ora, se a droga transitar através do aeroporto é porque ela foi posta na bagagem”, vincou.

A terminar, Daba Na Walna desafiou Iancuba Indjai para um debate da situação na TGB em cadeia com as rádios nacionais.

Fonte: RDN

via GBISSAU.com | Guiné-Bissau: Notícias, Actualidades e Opiniões.

Ditadura do Consenso: COMUNICADO Liga Guineense dos Direitos Humanos

Os partidos politicos que apoiam o golpe de estado assinaram no passado dia 18 do corrente mes um acordo politico com o Comando militar. Este documento preve entre outras coisas, a aprovacao de uma lei de amnistia para os autores do golpe de estado.

Igualmente, o comando militar tornou publico ontem um comunicado a imprensa onde qualificou de inventona a suposta tentativa de golpe de estado de 26 de Dezembro que culminou com a detencao de Bubo Na Tchuto e demais outros oficiais superiores que entanto continuam detidos a cerca de 6 meses. Face a estes factos a Liga produziu um comunicado a imprensa que vai em anexo.

COMUNICADO À IMPRENSA

Em virtude da evolução politica e consequente agravamento da situação dos direitos humanos no país, após ao golpe de estado de 12 de Abril, a Direção Nacional da Liga Guineense dos Direitos Humanos vem mais uma vez, manifestar a sua preocupação face à situação dos detidos em conexão com o caso da alegada tentativa de golpe de estado de 26 de Dezembro 2011, e do acordo político assinado entre diferentes partidos políticos e o Comando militar.

Em Dezembro de 2011, um grupo de cidadãos, incluindo altos oficias miltiares foram acusados e detidos pelas autoridades militares e posteriormente transferidos para a justiça, tendo alguns já sido acusados pelos crimes de alteração de estado de direito e associação criminosa pelo Ministerio Publico, no passado mês de Março do ano em curso.

Não obstante, as conclusões aduzidas pelas instâncias judiciárias, o Comando Militar tornou público ontem dia 22 de Abril, através de um comunicado à imprensa que a alegada tentativa do golpe de estado, do passado dia 26 de Dezembro 2011, não passa de uma inventona. Com este anúncio, aparentemente deixaram de existir os fundamentos legais e objectivos para a continuação do regime de detenção, em que se encontram alguns oficiais superiores e subalternos das Forças Armadas a cerca de 6 meses.

Por outro lado, no quadro da transição politica que se preconiza para um periodo de 12 meses, o Comando Militar e alguns partidos politicos rubricaram um Acordo Poltico no passado dia 18 do corrente mês, que prevê no seu artigo n 1 alinea d) citamos: “ a adopção pela ANP de uma lei de amnestia em favor dos autores do golpe de estado militar de 12 de Abril de 2012” fim da citação.

Para reavivar a memória dos guineenses e da comunidade internacional, a Assembleia Nacional Popular aprovou no dia 4 de Março 2008, a lei nº 5 / 2008, pela qual foram amnestiados os crimes e infracções de motivações político-militares, cometidos tanto na Guiné-Bissau como no estrangeiro desde a independência até ao caso 6 de Outubro 2004 que culminou com os assassinatos do Chefe de Estado Maior, General Vericimo Correia Seabra e do Coronel Domingos Barros.

Desde esta altura até à presente data, a Guiné-Bissau assistiu um ciclo vicioso de instabilidade politica e militar ou seja, duas alegadas tentativas de golpes de estado, assassinatos de altas figuras do estado, várias sublevações militares, um golpe de estado e vários outros casos que envolveram os militares e dirigentes políticos, pondo em causa as bases sobre as quais assentam a democracia e o estado de direito, em particular a finalidade e a razão de ser da amnestia. Estes factos demonstram de forma inequívoca que a opção pela via de amnistia na realidade guineense não só consubstancia num desvio aos seus fins, mas também serve de incentivo à institucionalização da impunidade e as violações sistemáticas dos direitos humanos.

Face ao acima exposto, a Direcção Nacional da LGDH delibera os seguintes:

1. Exortar o Estado Maior General das Forças Armadas, enquanto o principal denunciante do caso de alegada tentativa de golpe de estado de 26 de Dezembro de 2012, o maior esclarecimento junto das autoridades judiciárias;

2. Exigir a libertação imediata de Bubo Na Tchuto, Watna na Lai, Clecthe na Incanha e demais outros detidos, em conexão com a suposta tentativa do golpe de estado;

3. Denunciar o acordo político assinado entre militares e partidos políticos pela sua contradição com os desígnios de combate à impunidade e os esforços de consolidação da paz e do estado de direito;

4. Exortar os deputados da Nação e a classe politica em geral no sentido de rejeitarem liminarmente quaisquer iniciativa legislativa que visa amnistiar os autores materiais e morais do golpe de estado do dia 12 de Abril 2012, que causou e tem causado danos incalculaveis ao povo guineense;

5. Exigir mais uma vez, ao Comando Militar, a levantamento imediato da interdicao ilegal de viagens impostas a 58 cidadãos.

6. Exigir a cessação imediata das perseguições politicas, bem como da criação seguranca aos dirigentes politicos para pôr fim a cladestinidade a que se encontram a maioria deles.

Feito em Bissau aos 23 dias do mês de Maio 2012

A Direcçao Nacional

via Ditadura do Consenso: COMUNICADO Liga Guineense dos Direitos Humanos.

Guiné acusa Portugal de interferência nociva – Expresso.pt

O porta-voz do Comando Militar responsável pelo golpe de Estado de abril na Guiné-Bissau acusou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros Paulo Portas, de fazer acusações levianas e de Portugal ter “uma interferência nociva” no país.

“Que fique bem claro, ele (Paulo Portas) está a servir o café da manhã e o jantar à noite a quem é o maior responsável pelo tráfico de droga”, disse Daba Na Walna, em conferência de imprensa, respondendo a Paulo Portas, que na passada quinta-feira disse em Lisboa que a questão do narcotráfico também era a chave do golpe de Estado de 12 de abril.

É que, justificou Daba Na Walna, “a empresa responsável pela segurança das bagagens no aeroporto de Bissau não é do general António Indjai, não é do tenente-coronel Daba Na Walna, não é de ninguém que pertença ao Comando. O dono da empresa tem um nome e é quem está lá” (em Portugal).

Portugal acusado de manter posição hostil contra a Guiné

Daba Na Walna nunca acusou diretamente o primeiro-ministro deposto, mas quando questionado pelos jornalistas sobre se o dono da empresa era Carlos Gomes Júnior ou Raimundo Pereira (Presidente interino até ao golpe de Estado), disse: “Raimundo Pereira surge como parente pobre nesta história toda”.

“O Comando Militar não é um bando de traficantes de droga, isso é falso. Aliás, essa tem sido a política portuguesa relativamente à Guiné. Qualquer acontecimento que tem lugar aqui na Guiné é tráfico de droga. Mas porque é que Portugal tem esta posição de hostilidade, tanto, contra a Guiné? Isso é terrível”, disse, acrescentando que “acusações levianas não são próprias de um senhor como Paulo Portas”, que se devia “coibir”.

E acrescentou: “É chegada a altura de Portugal deixar de fazer política de costas viradas para com a Guiné-Bissau. Encarar a Guiné-Bissau de frente e convivermos como irmãos”.

aba Na Walna questionou depois quantos quilos de droga foram apreendidos durante o tempo que Carlos Gomes Júnior foi primeiro-ministro e falou de um desembarque de droga que terá ocorrido em finais do ano passado na estrada que liga Bissau a Bafatá, quando uma avioneta aterrou na estrada, que foi encerrada para o efeito.

Interesses a salvaguardar

Aquilo que foi feito na estrada de Bissau a Bafatá não é obra de um militar isolado, é obra de quem tem poderes no governo, que manda isolar norte-sul-leste sem que nada aconteça, sem que a polícia investigue”, disse.

Além de Daba Na Walna, também o general António Indjai, chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, tinha criticado no último sábado a posição de Portugal sobre o golpe de Estado, acusando o Governo de Lisboa de querer que a crise no país dure indefinidamente porque tem interesses que quer salvaguardar a qualquer custo.

Carlos Gomes Júnior, disse também, está “a soldo” do Governo português, que quer “colonizar a Guiné-Bissau”. Indjai deve de ter “as suas razões”, disse Daba na Walna, que não partilha da ideia de um novo colonialismo, ainda que admita que há “interferência nociva da parte do Governo português relativamente à Guiné-Bissau” e que há de Portugal, pelo menos ao nível político, uma “certa hostilidade relativamente à Guiné-Bissau”.

“Os acontecimentos de dia 12 podiam ter sido mediados de outra forma, chegar-se a uma solução que desse outra cara à CPLP”, referiu o porta-voz.

“Se a CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) se tivesse dignado em mandar pelo menos um representante ou um embaixador, para vir saber o que estava a acontecer, como fez a CEDEAO (países da África ocidental). Em vez disso, organizou-se uma reunião em Portugal e foram para as Nações Unidas. Acho que isso foi mau, demonstra falta de boa vontade da parte portuguesa relativamente à Guiné-Bissau”, disse.

via Guiné acusa Portugal de interferência nociva – Expresso.pt.

Ditadura do Consenso: Comunicado da LGDH sobre a decisão da CEDEAO

Comunicado da LGDH sobre a decisão da CEDEAO

COMUNICADO À IMPRENSA

Atenta à evolução da crise politico-institucional instalada no país através do golpe de estado do dia 12 de Abril 2012, e firme no seu propósito da defesa intransigente dos valores democraticos e principios basicos do estado de direito, a Direccao Nacional da Liga registou com bastante estranheza a subsistencia de actos de intimidações e perseguições de alguns cidadãos, quando a conjuntura politico-militar apela para uma maior contenção, perseverança e respeito pelos direitos humanos.

A historia recente da Guiné-Bissau deu provas mais do que inequivocas, que a resposta para a ciclica instabilidade politico e militar do país, não passa por medida provisorias, arquitectadas dentro de um dado periodo transitório.  Aliás, desde o conflito  politico-militar de 7 de junho de 1998 que o país reclama medidas consistentes, sustentaveis e adequadas para resolver de uma vez por todas, as clivagens politicas que consubtanciam já nos problemas estruturais e principais obstaculos ao processo de desenvolvimento e reconciliação nacional.

Por outro lado, é fundamental alertar a comunidade nacional e internacioal que o problema guinneense deve ser resolvida com base nos interesses nacioanais, objectivamente estruturados e não com base, nos interesses geo-estratégicos sub-regionais  ou continentais.

A Liga Guineense do Direitos Humanos vem tornar publica a sua posição face às negociações e mediações em curos, tendente à procura de soluções para a crise politica no país, em particular no que concerne à deliberação saida da ultima cimeira de Chefes de Estado e do Governo da CEDEAO.

1- Repudiar firmemente os actos de perseguição ainda em curso, protagonizados pelos militares, em especial da actual Directora dos Serviços da Viacção e Transportes Terrestes, Dra Lucinda Gomes Barbosa Aukarié e do seu marido Dr Carvalho Aukarié Director Nacional da Interpol;

 

2- Discordar liminarmente com a solução proposta pela CEDEAO por virtude do seu desenquadramento contitucional e da sua contradição com o espirito do seu mecanismo de tolerância zero às alterações da ordem constitucional por via anti-democratica;

 

3- Alertar a comunidade nacional e internacional pelos riscos que a solução saida da CEDEAO pode provocar de ponto de vista constitucional, legal e da governabilidade, face às limitações das prorrogativas constitucionais do presidente interino e o longo periodo de transição proposto sem quaisquer fundamentos objectivos;

 

 

4- Apelar a comunidade internacional a adoptar medidas adequadas e consistentes para a resolução definitiva dos problemas nacionais que passa essencialmente, pelas reformas no sector da defesa e segurança e irreconhecimento  de qualquer poder politico resultante de sublevação militar;

 

5- Responsabilizar o Comando Militar e Estado Maior General das Forças Armadas pela crise social instalada no país que se traduz no aumento galopante dos preços de produtos da primeira necessidade, o não pagamento de salários aos funcionários públicos e a degradação das condições de vida dos cidadãos como consequencias directa do golpe de estado.

 

 

 

 

 

Feito em Bissau, aos 05 dias do mês de Maio 2012

 

A Direcção Nacional

via Ditadura do Consenso: Comunicado da LGDH sobre a decisão da CEDEAO.