Viatura do Presidente da ANIE incendiada

Bissau – A viatura do Presidente da Associação Nacional de Importadores e Exportadores (ANIE) da Guiné-Bissau, foi incendiada na madrugada desta sexta-feira, 21 de Junho, junto da sede da instituição, na Avenida dos Combatentes de Liberdade da Pátria, no mesmo prédio onde reside o responsável.

Contactado pela PNN, Amadu Iero Djamanca afirmou que se trata de uma polémica em torno da fracassada campanha de comercialização da castanha de caju, da época de 2013.

«Estava à espera porque, nos últimos dias, tenho vindo a receber ameaças via SMS, relativamente à minha posição face à presente campanha», revelou o responsável da ANIE.

De acordo com Amadu Iero Djamanca, o episódio aconteceu por volta das 4 horas da madrugada, quando foi acordado por um alarme, tendo acabado por perceber que se tratava da sua própria viatura, que estava em chamas.

Depois do sucedido, os autores da iniciativa deixaram uma carta dirigida ao Presidente da ANIE, com a seguinte mensagem: «Djamanca, és tu quem defende os estrangeiros, agora toma».

Reagindo ao acontecimento, Mamadu Saliu Lamba, Conselheiro do Presidente de transição para a área empresarial e um dos vice-Presidentes da Câmara do Comércio, condenou a situação, que considerou como grave.

«Estou muito triste por mais uma vez os guineenses enveredarem pela via da violência, por discordarem com Djamanca. Que façam o contrário, através de denúncias nos meios de comunicação social», disse Mamadu Saliu Lamba, acrescentando que, com esta situação, o sector privado ficou «muito mais pobre». O Conselheiro do Presidente de transição repudiou também o teor da carta endereçada ao Presidente da ANIE.

Saliu Lamba recomendou que seja feita justiça sobre o caso, uma vez que estas práticas de violência não podem continuar a registar-se na sociedade guineense.

De recordar que, em conferência de imprensa realizada a 17 de Junho, Amadu Djamanca responsabilizou a Câmara do Comércio pelas falhas dos últimos anos, registadas nas campanhas de comercialização do caju.

«A Câmara do Comércio é a única e exclusiva responsável pelas péssimas campanhas dos últimos anos», disse, na altura, Amadu Djamanca.

Neste encontro com a imprensa, o responsável máximo da ANIE negou que a Câmara do Comércio guineense representasse o sector privado nacional, ou fosse o único interlocutor do mesmo junto do Governo, como tem sido anunciado oficialmente.

«A sistemática e fraudulenta forma de procura de dinheiro fácil, sem a responsabilização da sua utilização, tem agravado o normal funcionamento das diferentes campanhas de caju, desde há algum tempo», referiu.

A ANIE sublinhou que, contrariamente ao que acontece nos outros países produtores de castanha de caju, as propostas apresentadas pela Câmara de Comércio têm vindo a contribuir para o disfuncionamento do mercado, proporcionando um mau ambiente para o desenvolvimento de negócios e para os preços para o consumidor.

Sobre este assunto, a Assembleia Nacional Popular aprovou uma resolução, exigindo a devolução de valor de 50 F.cfa (0,08 euros) por cada quilograma de castanha exportado pela Câmara de Comércio e Indústria.

(c) PNN Portuguese News Network

via Luanda Digital | Notícias de Angola em Tempo Real.

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s