Ditadura do Consenso: “Coca em Stock” – Jeune Afrique

Ditadura do Consenso: “Coca em Stock” – Jeune Afrique.

 

“Coca em Stock” – Jeune Afrique

Logo que soube através dos medias, no inicio de abril, como os agentes americanos da Drug Enforcement Administration (DEA) tinham montado uma cilada a dois dos mais altos responsáveis militares da Guiné-Bissau, um deles se encontra atualmente em prisão e o segundo (António Indjai, actual CEMGFA da Guiné-Bissau) é procurado pela Interpol, o coração de Ali quase ia tendo um colapso. Ali, não é nem o seu apelido, nem o seu nome, mas este homem de negócios ivoiriense-libanês conhecido em Abidjan e em Ouagadougou, e que foi um próximo de Laurent Gbagbo, se reconhecerá sem duvidas nesse rocambolesco negócio de enredos múltiplos e sucessivos. Isto porque, se a vasta operação clandestina lançada em meados de 2012 pela administradora da DEA, Michele Leonhart, que visava decapitar algumas das principais redes da cocaína connection na África Ocidental tinham na mira os dois barões da droga guineenses desse gigantesco tráfico, outros alvos eram igualmente visados, entre eles Ali, decididamente alguém muito inconsciente desde que está em jogo o dinheiro.

coke en stock 41
UM EXCELENTE TRABALHO DA JEUNE AFRIQUE

Eis a histÓria – e o contexto.

Depois de pouco mais de uma dezena de anos, a África Ocidental tornou-se numa plataforma de trânsito, armazenamento e de distribuição da cocaína proveniente da América latina. Um quarto do consumo europeu passa por essa região, ou seja um mercado de 33 bilhões de dólares para 4 milhões de consumidores. Comprada a 4.000 dólares o quilograma na Colômbia ou no Peru, o pó branco revende-se 12 vezes mais caro na Europa. A droga chega até aos portos africanos nos contentores dos cargueiros que seguem a rota da «Highway 10», uma espécie de autoestrada transatlântica que liga os dois continentes ao longo do paralelo 10°. Porém, igualmente, mas raramente seguem a bordo de aviões, dado que o famoso episódio do «boeings da coca» ocorrido em 2009, não longe de Gao, no Mali com 8 toneladas de cocaína no seu interior proveniente da Venezuela, é porventura uma excepção. A mercadoria é de seguida reexpedida em direcção ao norte por via marítima ou terreste através do severo deserto do Sahara. Os narco-jihadistas do Movimento para Unicidade e a Jihad na África Ocidental (MUJAO) e os rebeldes tuaregues, que asseguravam até há pouco tempo a protecção e o encaminhamento da mercadoria, foram obrigados a deslocalizar as suas actividades desde o inicio da operação Serval – daí que, o trânsito da mercadoria segue a partir desse momento a partir do Níger e da Líbia. Somas em jogo e os ganhos realizados são de tal forma enormes que nada aparentemente conseguira erradicar esse negócio.

coke en stock 2
A ROTA – O EIXO DO MAL, COM LISBOA PELO MEIO

MAFIOSO

Não é evidentemente por acaso que o golpe da DEA teve como alvo, e em primeiro lugar, a Guiné-Bissau. Esta antiga colónia portuguesa é a principal feitoria da cocaína e o único prestador de serviço do tráfico. Até ao fim de 2011, o contra-almirante Bubo Na Tchuto, Chefe do Estado-maior da Armada, reinou no negócio até ter sido posto de lado pelo Chefe do Estado Maior General das Forças Armadas, o general António Indjai. Entre junho 2012 e abril 2013, os dois passam a ser alvos de uma bem montada operação de intoxicação e de manipulação por parte dos agentes da DEA, que se apresentaram como dirigentes das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), movimento narco-terrorista que luta contra o poder instalado em Bogotá, vai para meio século, e que os EUA classificam de organização terrorista. No decurso de reuniões secretas sistematicamente filmadas e gravadas em audio e vídeo pelos norte-americanos, Bubo Na Tchuto e António Indjai aceitam armazenar a cocaína transportada até Bissau e de servir idepois de ntermediários para a compra de armas para as FARC. A 3 de abril, o primeiro foi detido a bordo de um navio nas águas internacionais ao largo de Cabo-Verde e presentemente transferido para uma prisão do Estado de Nova-Iorque. O segundo não caiu na cilada, mas ele é, depois de 18 de abril oficialmente acusado pela justiça norte-americana, cuja acção está consubstanciado num mandato de captura internacional. O que não se sabe é que, ao mesmo momento a DEA levava à cabo uma operação similar entre Abidjan e Accra, tendo como objetivo de montar cilada não aos notórios barões como os dois mafiosos de Bissau, mas sim homens de negócios pouco ciosos quanto à natureza dos contratos que se lhes propõem. “Eles lançaram uma linha de pesca à agua e sem duvidas, eles devem ter lançado uma dezena iguais a fim de ver quem ira morder o isco” sugere um especialista em funções afeto na região. Foi assim que Ali mordeu o isco.

737 VIP – Como e por quem foi contactado?

Tal continua um mistério. Em meados de novembro o nosso ivoiriense-libanês marcou um encontro num restaurante de Abidjan com o representante de uma empresa de aluguer de aviões francês. Eu tenho um grande cliente para ti, melhor que um simples locador, terás um comprador, disse-lhe o seu interlocutor. Ele e os seus amigos esperam-nos no Ghana, eles estão com pressa. Em finais de novembro, Ali e o alugador, chamamos-lhe “Michael” voltaram a encontrar-se, desta vez num salão discreto do Hotel Golden Tulip de Accra, na presença de dois outros homens. O primeiro, cinquentão, disse chamar-se Diego e ser de nacionalidade colombiana. O segundo, Joseph, 35 anos aproximadamente, de origem libanesa, afirma ser o seu associado. É ele que, talvez tenha estabelecido o contacto com Ali porquanto apercebe-se um pouco mais à frente de que os dois têm amigos em comum no círculo de relações dos libaneses do famoso “trìângulo de ouro” da noite parisiense.

Com grande surpresa, “Michel” e Ali, que supostamente pensavam estar a contactar com homens de negócios aventureiros como tantos que existem um pouco por Africa, os seus interlocutores põem as cartas na mesa. Ambos afirmam trabalhar por conta das FARC e que o objectivo deles é de abrir uma nova linha aérea de exportação da cocaína a partir de Accra com destino à Península Ibérica. Paralelamente, o avião que eles procuram adquirir para efetuar essas entregas servirá para o encaminhamento das armas compradas na Africa do Sul para os guerrilheiros colombianos, via Venezuela. Para assim ser, eles estão dispostos a pagar em “cash” o aparelho e os membros da equipa, pouco importando o preço a dispender. No fim da entrevista, Diego e Joseph entregam aos seus novos parceiros dois telemóveis BlackBerry de um género muito particular: eles servem para corresponder de maneira segura unicamente por email. Ali e “Michel” estão espantados: que fazer? O negócio é extremamente atractivo, mas totalmente ilícito. O risco é também tão grande quanto o benefício. De volta a Abidjan, o primeiro hesita: negociar com narcotraficantes pode valer dez anos de prisão e não será essa a questão, mas porque não jogar sorrateiramente com eles, isto é vender-lhes o avião pura e simplesmente e sumir com o dinheiro sem entrar directamente no negócio? Claramente mais exposto pois será ele o comprador oficial do aparelho, “Michel” hesita, reflecte e depois confia as suas desconfianças a um amigo, antena local de um serviço de informações europeu. O honorável correspondente escuta-o com um ar aparentemente distraído antes de desabafar: “Esta operação é uma cilada da DEA. No vosso lugar, eu deixaria cair esse negócio“.

Perturbado, dado que não devidamente convencido pelo interlocutor que lhe pareceu não ter tomado muito a sério a sua história, mas sobretudo curioso e teimoso por natureza, “Michel” decide de continuar por mais algum tempo com a aventura, à espera para ver o que acontecerá com o tempo. Ali, ele é completamente mais entusiasta: ele não acredita minimamente na hipótese de uma cilada e quer ir até ao fim com o negócio. Rapidamente, via BlackBerry, o negócio vai tomando forma. “Michel” detecta um Boeing 737 VIP de ocasião na Roménia que custa 3 milhões de dólares e que aparentemente parece agradar aos seus parceiros. Estes fazem-lhe chegar o plano de voo inicial. O aparelho saíria de Bucareste para Lisboa, depois seguiria directamente para a Africa do Sul, onde o armamento encomendado seria embarcado de forma legal graças a um certificado de utilização final fornecido pelo exêrcito venezuelano. Escalara a seguir num pequeno aeroporto junto à fronteira venezuelano-colombiana, onde a carga seria desembarcada sob a protecção dos militares chavistas e as armas seriam posteriormente entregues às FARC. O regresso para Accra far-se-ia com o avião vazio. Segue-se o carregamento da cocaína com carimbo das FARC, que chegou ao Ghana por barco e está já armazenado em contentores no porto de Tema. Depois a direção seria Portugal ou Espanha ou um local de acolhimento “seguro” onde o Boeing e da sua mercadoria seria organizada. “Michel” recebe, a 29 de novembro de 2012, um pedido de importação de armas por parte dos seus novos amigos colombianos: 4.000 espingardas de assalto russas e americanas, 2.000 pistolas, 1000 granadas, 1.000 minas antipessoais, 1.000 espingardas com miras telescópicas, 100 lança misseis Stinger e SAM…Tudo isso parece verdadeiro e concreto. Se for uma montagem, uma mentira, seria desagradável.

coke en stock 3
ARMAS DE TODOS OS TIPOS, PARA FORNECER AS FARC, NA COLÓMBIA…

ESCOBAR

Durante todo o mês de dezembro, “Michel” reflecte. Ele que nunca tinha infringido a linha vermelha da legalidade, acabou por se convencer de que, nessa história, nada haverá de bom, senão acabar mal. Porém, os seus interlocutores pressionam mais e mais, e Ali está por seu lado cada vez mais determinado a conclui-lo. Ele (“Michel”) inventa um pretexto familiar para não estar presente num encontro fixado para Accra a 17 de janeiro. Ali vai sozinho e do encontro voltará ainda mais convencido e excitado pelo negócio: para além de Diego e Joseph, explica ele a “Michel, de que tinha encontrado um outro dirigente das FARC, assim como a própria filha de Pablo Escobar, mítico narcotraficante colombiano morto faz vinte anos na sequência de uma operação da DEA. Contudo, tudo isso de momento, pouco interessava a “Michel”, pois estava já convencido de que quem lhe tinha posto de sobreaviso sobre a possibilidade de ser uma cilada de agentes americanos, tinha razão. Ele virou a página, desligou o pequeno aparelho BlakBerry fechou as ligações e retomou os seus negócios na maior discrição. Quanto a Ali, que ainda continua em Abidjan, fez o mesmo, apesar de tê-lo feito mais tarde, quando ouviu, a 6 de abril, a forma como os agentes da DEA tinham feito cair na cilada as suas presas guineenses. Uma surpreendente indiscrição da agência antidroga que, sem dúvidas, deve estar em curso noutras operações na Africa Ocidental. Nesta saga da Coca onde os policias e bandidos rivalizam na engenhosidade e onde os segundos estão sempre um passo à frente relativamente aos primeiros, tudo acaba, mas recomeça de novo.

(Artigo de François SOUDAN em Jeune Afrique – numéro double 2729/2730 du 28 avril au 11 mai 2013)

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s