Ditadura do Consenso: O regresso do porta-disparates

O Governo de transição da Guiné-Bissau disse hoje desconhecer qualquer reunião com as autoridades depostas no golpe de Estado de 12 de abril, na capital da Etiópia. Na quinta-feira, o primeiro-ministro deposto no golpe, Carlos Gomes Júnior, disse em conferência de imprensa em Lisboa que as autoridades de transição e o Governo deposto se iriam encontrar ainda este mês, na capital da Etiópia, para retomar o diálogo. Hoje, em Bissau, o porta-voz do Governo de transição e ministro da Presidência do Conselho de Ministros, Fernando Vaz, disse que o executivo em Bissau “não tem conhecimento de nenhum encontro” em Adis Abeba.

Quem tem sido o mediador de todo este processo é a CEDEAO (Comunidade dos Estados da África Ocidental) “e as informações que temos não apontam para nenhuma reunião”, afirmou aos jornalistas, frisando: “A nós não nos foi transmitido nada”. Questionado sobre se o encontro estará a ser organizado pela União Africana (UA), como disse Carlos Gomes Júnior, o porta-voz do Governo afirmou que se tal se vier a concretizar o executivo de transição “na altura própria analisará”, acrescentando: “Tudo o que for para a estabilidade, a paz e o progresso da Guiné-Bissau este Governo estará disponível”.

A propósito de uma missão de observadores que na próxima quinta-feira deverá chegar ao país (composta pela ONU, CEDEAO, UA, União Europeia e Comunidade dos Países de Língua Portuguesa) o porta-voz avisou que “os países que recusam vistos à Guiné-Bissau também não terão visto para entrar no país”. Questionado sobre se se estava a referir a Portugal, Fernando Vaz disse que “Portugal é um deles”. “Portugal não dá visto a nenhum membro do Governo, de igual forma nós iremos proceder”, disse, acrescentando que “é absurdo” algum responsável de Portugal vir dialogar com um Governo de transição que não reconhece.

“Primeiro tem de haver reconhecimento, depois do reconhecimento o diálogo”, disse, esclarecendo que essa restrição não se coloca por exemplo a Moçambique. “Houve membros deste Governo que se deslocaram a vários países da CPLP sem problema, houve um reconhecimento ainda que não formal. Portugal recusou sistematicamente visto a qualquer membro deste governo, não nos peçam visto para nenhum membro ou representante oficial do Governo português”, afirmou. LUSA

via Ditadura do Consenso: O regresso do porta-disparates.

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s