‘Caça ao homem’ na Guiné-Bissau – Correio da Manhã

‘Caça ao homem’ na Guiné-Bissau

A Liga Guineense dos Direitos Humanos denunciou ontem um clima de “perseguição e medo” em Bissau, um dia depois de um grupo de militares liderado pelo capitão Pansau N’Tchamá ter tentado atacar uma base dos Pára-Comandos, no que o governo de transição diz ter sido uma “tentativa de contragolpe apoiada por Portugal, pela CPLP e pelo ex-primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior”.

Por:Ricardo Ramos, com agências

“Temos estado a receber chamadas de pessoas apavoradas, que estão a buscar refúgio para não serem atacadas por indivíduos armados”, afirmou à Lusa o presidente da Liga, Luís Vaz Martins, adiantando que está em curso uma “caça ao homem”.

Uma das vítimas desta perseguição é Iancuba Indjai, porta–voz da Frenagolpe, plataforma de partidos que se opõe ao golpe de estado de Abril. Indjai foi detido por homens armados a meio da manhã de ontem na sede do PAIGC, brutalmente espancado e “enfiado na bagageira de um carro”. Indjai terá sido visado porque uma das viaturas usadas no ataque ao quartel dos Pára-Comandos pertence ao ex-secretário de Estado Tomás Barbosa, também membro da Frenagolpe.

Em Lisboa, o Ministérios dos Negócios Estrangeiros recusou ontem comentar as alegações do governo de transição da Guiné-Bissau, que no domingo acusou taxativamente Portugal, a CPLP e Carlos Gomes Júnior de estarem por detrás do ataque. O PM de transição, Rui de Barros, insistiu ontem que, até à semana passada, o capitão N’Tchamá esteve refugiado no nosso país. “É estranho que uma pessoa com estatuto de exilado político em Portugal tivesse entrado no país não se sabe como. Não se sabe qual é a colaboração que teve”, insinuou.

Segundo a versão oficial, o ataque liderado por N’Tchamá causou sete mortos, seis deles de nacionalidade senegalesa, presumivelmente mercenários contratados por N’Tchamá, que está em parte incerta. Porém, fontes em Bissau estranham porque é que um comando de pouco mais de 20 homens decidiu atacar a base de uma força militar de elite, e admitem que tudo pode não passar de um ajuste de contas. N’Tchamá, recorde-se, liderou o comando militar que em 2009 assassinou o presidente ‘Nino’ Vieira.

via ‘Caça ao homem’ na Guiné-Bissau – Mundo – Correio da Manhã.

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s