União Africana mantém suspensão, mas busca diálogo na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW.DE | 26.07.2012

A organização africana está em diálogo com o governo de transição para pôr fim à crise política no país, que se arrasta desde o golpe militar. Entretanto, o Conselho de Segurança da ONU debate a situação na Guiné-Bissau.

O Conselho de Segurança das Nações Unidas vai debater esta quinta-feira (26.07) a crise política na Guiné-Bissau. De acordo com a agência Lusa, o representante da ONU no país, Joseph Mutaboba, vai apresentar aos 15 países-membros do Conselho um “briefing” sobre a situação no país depois do golpe militar de 12 de abril.

A reunião tem lugar um dia depois do novo representante da União Africana (UA) em Bissau se ter encontrado com o presidente de transição guineense, Serifo Nhamadjo.

Atual Presidente de transição guineense, Serifo Nhamadjo

O representante da UA, Ovídio Pequeno, disse esta quarta-feira que, para já, a União Africana deverá manter a Guiné-Bissau de fora, mas quer “encontrar mecanismos” que permitam ao país regressar à organização.

No encontro, os dois responsáveis debateram a forma como a UA poderá ajudar a Guiné-Bissau “a criar um clima de paz e de estabilidade”. Pequeno negou-se, no entanto, a revelar aos jornalistas a posição de Nhamadjo sobre o assunto.

A União Africana suspendeu a Guiné-Bissau depois do golpe militar de 12 de abril. O atual governo de transição é reconhecido pela Comunidade Económica de Estados da África Ocidental (CEDEAO) mas enfrenta uma forte oposição da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), entre outros atores da comunidade internacional.

Antes da última cimeira da CPLP, que decorreu no dia 20 de julho em Maputo, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Portugal, Paulo Portas, afirmou que a representação da Guiné-Bissau na reunião do chefes de Estado de língua portuguesa devia “ser assegurada pelas autoridades que derivam do voto popular” e não “por quaisquer outras de natureza violenta, pela forma como se instalaram no poder.”

O Presidente interino deposto, Raimundo Pereira, representou a Guiné-Bissau na cimeira da CPLP em Maputo

Mediação da UA

Na reunião desta quarta-feira, o representante da União Africana abriu também as portas ao diálogo internacional e, particularmente, ao diálogo com a CEDEAO e a CPLP:

“Tem que ser um diálogo inclusivo para que, de facto, saiamos desta situação em que nos encontramos”, disse.

Ovídio Pequeno disse que iria contactar em breve um representante da CEDEAO para se poderem retomar as conversações.

O golpe militar na Guiné-Bissau foi a 12 de abril

Líderes religiosos pedem “justiça”

Os líderes religiosos guineenses reuniram-se também esta quarta-feira com Serifo Nhamadjo, numa gesto de apoio ao trabalho das autoridades de transição no “momento crítico” que o país está a atravessar.

Numa audiência conjunta, os líderes católicos, protestantes e muçulmanos disseram ao Presidente do governo de transição que só “uma justiça digna e verdadeira” poderá ajudar a Guiné-Bissau a sair da crise em que se encontra.

“Ser Presidente neste momento é difícil e ter como princípio ouvir várias personalidades é um sinal positivo antes de tomar qualquer decisão”, disse o porta-voz dos chefes religiosos, José Lampra Cá.

Autor: GCS/Lusa

Edição: António Rocha

via União Africana mantém suspensão, mas busca diálogo na Guiné-Bissau | Guiné-Bissau | DW.DE | 26.07.2012.

Advertisements

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s