Secretário Executivo da CPLP: “Fomos apanhados de surpresa com a posição” da CEDEAO sobre a Guiné- Bissau

Bissau, (Fonte: Lusa, 6-7-12) – O secretário executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), Domingos Simões Pereira, reconhece que a organização foi “apanhada de surpresa com a posição” da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) sobre o golpe de Estado na Guiné-Bissau.

As reacções ao golpe militar registado a 12 de Abril e que derrubou os governantes guineenses eleitos levaram a CPLP “a acreditar que a comunidade internacional estava alinhada sobre os mecanismos para a reposição da ordem constitucional” no país.

“Nós fomos apanhados de surpresa com a posição, que nós consideramos diferente, por parte da CEDEAO”, admite o secretário executivo, o guineense Domingos Simões Pereira, em entrevista à Lusa.

Apesar disso, garante, a CPLP não quis “disputar a competência da CEDEAO” e manteve uma “posição responsável”, voltando a pedir ao Conselho de Segurança da ONU que clarificasse as orientações. O organismo internacional respondeu que mantinha “a CEDEAO como principal interlocutor das autoridades da Guiné-Bissau”.

Desde essa altura, recorda Simões Pereira, “a CPLP tem participado em todos os esforços, em todas as reuniões promovidas pela CEDEAO, no sentido de encontrar uma solução para a Guiné-Bissau” e “está permanentemente a avaliar qual é a melhor forma de assistir” o país.

O verbo ?afectar? “talvez não seja o mais exacto” para o que sucedeu na relação CPLP-CEDEAO, mas Simões Pereira reconhece que as organizações “têm interpretações diferentes sobre o mecanismo de reposição da ordem constitucional” – sendo esta um objectivo comum. “Como lá chegar é que divide realmente as partes”, diz.

Escusando-se a comentar uma eventual saída da Guiné-Bissau da CPLP – o governo de transição admitiu “questionar” a presença do país na organização lusófona -, o secretário executivo disse apenas que “é uma manifestação de intranquilidade” e apelou à “ponderação” de todas as partes.

“Se o governo de facto no país considera que a actuação da CPLP coloca alguma pressão nele, espero que também saiba reconhecer que o acontecimento de dia 12 de abril colocou a CPLP numa situação muito complicada (…), porque nos princípios da CPLP há uma directriz muito clara, de que é ao povo que compete decidir quem são os seus legítimos representantes”, assinala.

“Há quem diga que nos devíamos render a essa realidade [do governo de transição] e nos ajustarmos a essa realidade. Os nossos órgãos competentes continuam a ter dificuldade em aceitar isso, porque isso significa, na nossa interpretação, retirar ao povo esse direito”, esclarece, realçando, contudo, que “é um processo dinâmico”.

Não se sabe ainda como é que a Guiné se fará representar na 9.ª conferência de chefes de Estado e de Governo, que vai realizar-se em Maputo, capital moçambicana, no dia 20 de Julho, mas, “até uma ordem contrária, todas as reuniões da CPLP depois do 12 de Abril, têm tido o Governo saído das últimas eleições: o Presidente interino, Raimundo Pereira, e o Primeiro-ministro, Carlos Gomes Júnior”.

No dia 11, o Conselho de Ministros da CPLP vai realizar uma reunião extraordinária, na qual debaterá a representação oficial da Guiné-Bissau. “A actual situação é difícil, mas para todos, e espero que as pessoas saibam reconhecer que não foi a CPLP a produzir essa situação”, frisou Domingos Simões Pereira.

via Secretário Executivo da CPLP: “Fomos apanhados de surpresa com a posição” da CEDEAO sobre a Guiné- Bissau.

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s