Guiné-Bissau: Uma crise com potenciais efeitos secundários

Sex Maio 4, 2012 04:55 de Bloguítica por Paulo Gorjão .

O golpe de Estado na Guiné-Bissau, cuja solução permanece ainda em aberto, à medida que o tempo passa ameaça poder vir a ter as mais diversas repercussões inesperadas.

Subitamente, a preocupação com a coesão da CEDEAO/ECOWAS intromete-se na gestão regional do golpe de Estado na Guiné-Bissau (ver as declarações de Corsino Tolentino). Em nome do princípio da subsidiariedade, a CEDEAO/ECOWAS ambicionou e reclamou para si um papel que está ainda para se confirmar que o conseguirá desempenhar. Veremos se a crise na Guiné-Bissau não deixará cicatrizes regionais imprevistas.

A própria CPLP está ainda para se ver se também ela conseguirá cumprir o papel que inicialmente pensou desempenhar, e se o golpe de Estado na Guiné-Bissau não terá porventura repercussões indesejadas.

A nível bilateral, a aproximação gradual que se ensaiou no último ano entre Angola e a Costa do Marfim corre também riscos sérios de retrocesso se Alassane Ouattara não tiver cuidados redobrados. (Assunto, aliás, sobre o qual penso escrever com um pouco mais de detalhe.)

Tudo somado, há razões mais do que suficientes para abdicar da estratégia gradualista seguida até agora e assumir em seu lugar uma abordagem mais musculada.

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s