Bissau sob ultimato da CEDEAO – Expresso.pt

“Estamos aqui para dizer-vos que em último recurso, ou vocês escolhem uma solução pacífica com a Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO), ou tomaremos medidas para pôr fim ao que se passa em Bissau”, disse hoje o presidente gambiano.

O conjunto dos protagonistas da crise na Guiné-Bissau reuniram-se hoje em Banjul, capital da Gâmbia, num encontro presidido pelo presidente gambiano, Yahya Jammeh, para tentar encontrar uma solução que garanta o regresso dos civis ao poder.

“Não temos nada contra o povo da Guiné-Bissau. A Comunidade Económica dos Estados de África Ocidental (CEDEAO) está lá para vos ajudar a resolver os vossos problemas, mas posso também garantir-vos que a paciência da CEDEAO está a esgotar-se”, declarou, citado pela AFP, o chefe de Estado gambiano na abertura dos trabalhos, em que participaram os ministros dos Negócios Estrangeiros de sete países oeste-africanos do “grupo de contacto”, constituído por aquela organização.

“Em menos de sete anos, quantos presidentes da Guiné-Bissau perderam a vida? Quantos chefes de estado-maior perderam a vida? Quantas pessoas foram mortas em total impunidade?”, questionou Yahya Jammeh às três dezenas de personalidades guineenses presentes, entre as quais representantes da junta militar que tomou o poder no país no passado dia 12 de abril, mas também membros do conjunto da classe política, autoridades religiosas e da sociedade civil.

Sucessivos golpes de Estado

“Estamos aqui para dizer-vos que em último recurso, ou vocês escolhem uma solução pacífica com a CEDEAO, ou a CEDEAO tomará medidas para pôr fim ao que se passa em Bissau”, preveniu também o presidente gambiano.

Desde a sua independência em 1974, a Guiné-Bissau vive ao ritmo dos golpes de Estado, tentativas de golpe e assassinatos políticos sob o fundo de rivalidades para controlar o tráfico de cocaína.

Na passada quinta-feira, os chefes de Estado de seis países da África ocidental, reunidos em cimeira extraordinária em Abidjan, deram um ultimato de 72 horas aos golpistas para que aceitem as decisões da CEDEAO com vista ao regresso à ordem constitucional, sob pena de sofrerem sanções individuais, diplomáticas e económicas.

Minicimeira a 3 de maio

No dia seguinte, a junta militar anunciou que aceitaria as exigências, que incluem uma transição no prazo máximo de doze meses e aceitação do envio para o país de uma força militar regional. Num segundo sinal de compromisso com o acordo, o presidente interino deposto, Raimundo Pereira, e o primeiro-ministro Carlos Gomes Júnior, detidos no dia do golpe, foram libertados e evacuados para a capital da Costa do Marfim.

A força da CEDEAO, que deverá contar com entre 500 e 600 homens, condiciona a sua chegada à Guiné-Bissau à saída dos 650 soldados angolanos presentes no território desde 2011 e cuja presença, fortemente contestada pelo exército guineense, foi uma das justificações declaradas do golpe.

Uma minicimeira que reunirá os chefes de Estado do grupo de contacto, inicialmente prevista para se realizar em Dakar, terá lugar em Banjul no próximo dia 3 de maio, anunciou hoje a CEDEAO através de um comunicado

via Bissau sob ultimato da CEDEAO – Expresso.pt.

Anúncios

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s