Novas da Guiné Bissau: Cimeira da CEDEAO analisa crise na Guiné-Bissau

Os Presidentes dos países da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) reúnem-se hoje em Abidjan (Costa do Marfim), numa cimeira extraordinária dedicada às crises na Guiné-Bissau e no Mali.

Antes desta cimeira, estava prevista a realização de um encontro preparatório em Conacri, na segunda-feira, que acabou por ser anulado, alegando a CEDEAO que o “Comando Militar”, constituído após o golpe de Estado do passado dia 12 na Guiné-Bissau, tinha assumido o compromisso junto da missão da organização que se deslocou a Bissau, de deixar o poder para “permitir o regresso imediato à normalidade constitucional” no país.

A CEDEAO condenou a constituição “ilegal” do Conselho Nacional de Transição (CNT) na Guiné-Bissau e a “usurpação do poder” pelo Comando Militar, depois do compromisso assumido com a organização regional e rejeitou a “usurpação do poder” pelo Comando Militar, vincando que não reconhecerá “qualquer transição” na Guiné-Bissau.

A cimeira da CEDEAO deverá também debruçar-se sobre o envio para a Guiné-Bissau de uma força militar de interposição e estabilização, cujo pedido foi reiterado na segunda-feira, em Lisboa, pelo ministro dos Negócios Estrangeiros guineense, Mamadu Djaló Pires, numa declaração que divulgou em nome do governo derrubado pelos militares.

Outro assunto em debate na cimeira é a crise no Mali, onde se aguarda a formação do governo do novo primeiro-ministro de transição, Cheick Modibo Diarra, apesar dos receios que os militares golpistas, que afastaram a 22 de março o presidente Amadou Toumani Touré, não queiram ceder o poder aos civis, apesar do acordo estabelecido com a CEDEAO, no passado dia 06.

O Presidente e o ministro das Relações Exteriores de Cabo Verde já anunciaram que participam na cimeira extraordinária de Abidjan, o mesmo acontecendo com o ministro dos Negócios Estrangeiros do governo eleito da Guiné-Bissau, que hoje segue para a capital marfinense, segundo informou o próprio em conferência de imprensa de segunda-feira, em Lisboa.

A CEDEAO inclui 15 países da África Ocidental — Benim, Burkina Faso, Cabo Verde, Costa do Marfim, Gâmbia, Gana, Guiné-Conacri, Guiné-Bissau, Libéria, Mali, Níger, Nigéria, Senegal, Serra Leoa e Togo.

via Novas da Guiné Bissau: Cimeira da CEDEAO analisa crise na Guiné-Bissau.

Anúncios