Guiné-Bissau: CEDEAO em vias de reconhecer Governo saído de Golpe de Estado | Jornal Digital

Contrariando a posição da Comunidade Internacional

Guiné-Bissau: CEDEAO em vias de reconhecer Governo saído de Golpe de Estado

2012-04-18 21:07:29

Bissau – Fontes diplomáticas na capital guineense confirmaram ao Bissau Digital que a Nigéria se prepara para reconhecer, já hoje, 18 de Abril, o novo Governo de Transição da Guiné-Bissau, logo após a assinatura do acordo entre militares e partidos da oposição.

A atitude nigeriana poderá ser seguida por outros países membros da organização regional CEDEAO, contrariando assim a posição das Nações Unidas e restante Comunidade Internacional.

A confirmar-se o reconhecimento nigeriano, trata-se de uma atitude contrária aos princípios defindidos internacionalmente pela CEDEAO.

Mas a verdade é que um olhar mais atento ao recente comportamento da organização internacional em casos semelhantes deixa antever um cenário de ruptura com a estabilidade democrática.

No Mali, onde o recente Golpe de Estado abanou um país aparentemente estável, a CEDEAO prontificou-se a condenar publicamente a acção dos revoltosos. No entanto, nos bastidores, decorreram conversações e negociações intensas para colocar os homens chave nos lugares chave, para assim cimentar a posição regional da organização. Em Bissau, o cenário poderá não diferir muito.

Depois do Golpe de Estado liderado pelos militares do auto-intitulado «Comando Militar», o que está previsto é o retorno da ordem Constitucional.

Mas o que está em causa é que esta ordem constitucional concretiza o Golpe de Estado, uma vez que sob uma capa de legalidade, afasta elementos indesejados, e substituiu-os por outros de tendências políticas ou étnicas mais próximas das dos militares e organizações regionais.

Daí, os fortes indícios de que Serifo Nhamadjo, candidato presidencial derrotato na primeira volta e favorito da CEDEAO, possa ser o escolhido para o mais alto cargo da nação guineense.

Ao reconhecer como legítimo este novo estilo de Golpe de Estado, a CEDEAO está na prática a legitimar os Golpes de Estado na região, sejam eles na Guiné-Bissau, Mali, ou noutros em que existam clivagens entre militares e Governos democraticamente eleitos.

Na Guiné-Bissau, a atitude da CEDEAO é tanto mais grave uma vez que o país se encontrava a meio de umas eleições presidenciais cuja primeira volta, todos os observadores internacionais tinham considerado como justa e democrática.

Além disso, a CEDEAO pretenderá também, através da concertação como Comando Militar e Serifo Nhamadjo, garantir o afastamento de Angola da Guiné-Bissau, para dessa forma, garantir que as tropas angolanas abandonem a zona de influência da África Ocidental. Tudo razões que autorizam o “fechar de olhos” ao Golpe de Estado em Bissau.

O que o passado recente da Guiné-Bissau ensinou à comunidade internacional é que uma actuação isolada poderá resultar no imediato, mas nunca a longo prazo. Daí o erro que é agora o posicionamento da CEDEAO, que decidiu ignorar duas partes importantes da equação para a solução do problema guineense.

Por um lado a CPLP, a organização dos países lusófonos onde a Guiné se enquadra e cujos países como Portugal, Brasil e Cabo Verde, principais parceiros de desenvolvimento em Bissau, têm relações históricas e afectivas difíceis de quebrar mesmo por factores externos à dinâmica guineense. Por outro, Angola.

De promessa de redentora de todos os problemas das Forças Armadas guineenses, Angola tornou-se agora no bode expiatório justificador de todas as acções, incluindo alterações da ordem constitucional e detenção dos representantes do povo guineense, democraticamente eleitos nas urnas.

Rodrigo Nunes

(c) PNN Portuguese News Network

via Guiné-Bissau: CEDEAO em vias de reconhecer Governo saído de Golpe de Estado | Jornal Digital.

Anúncios

One comment

  1. Eu quero deixar bem claro para todo mundo de wque a CDEAO não tem intenção nenhuma de afastar angola na guine mas sim a CDEAO esta no caminho certo pois angola nem se quer é democratico e quer fazer da guine um pais democratico. um ditador nunca pode fazer uma pessoa ser democrata a não ser ditador como ele. era isso que estava a 1 passo para guine bissau. pois sabemos quem era o primeiro ministro que tinhamos, na verdade a seguna volta das eleições de geito nenhum seria realizada, isso é uma pura verdade que os amigos do ex governo e os beneficiado dele não falam e nem vão falar mas nós sabemos.
    o embaixador de angola não é ninguem para ir ate no ESTADO MAIOR DAS FORÇAS ARMADAS para fazer pergunta grave ao CHEFE DE ESTADO MAIOR como ele fez. Com que autoridade na terra que não é dele, para qué e porqué se não estivesse preparando um golpe contra os nossos militares.
    Én bom que as pessoas falam a verdade coloquemos o dedo na ferida seja como for, ainda que o primeiro ministroseja meu pai vou lhe culpar pelas intenções.
    Peço perdão se alguem se sentiu ferido com meu comentario pois, não comentei para ferir ninguem.
    Obrigado irmãos somos todos guineenses devemos dar culpas ao culpados e razão a quem tem razão e não devemos ser tendenciosos, pois não é bom.

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s