Novas da Guiné Bissau: Na ONU, Carlos Gomes Jr. pede restauração da ordem na Guiné-Bissau

Antes de participar numa reunião no Conselho de Segurança, líder guineense falou das expectativas e avisou que irá processar os responsáveis civis e militares pelo golpe de 12 de Abril.

http://www.unmultimedia.org/radio/portuguese/2012/06/primeiro-ministro-deposto-da-guine-bissau-ira-processar-autores-de-golpe/

Eleutério Guevane, da Rádio ONU em Nova Iorque.

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Carlos Gomes Júnior, deposto no golpe militar de 12 de Abril, falou à Rádio ONU que irá processar os responsáveis pela intentona.

Nesta entrevista exclusiva, em Nova Iorque, onde está para uma reunião no Conselho de Segurança, Gomes Júnior indicou que o facto de o país ser “carente e pequeno” justifica a insistência junto da comunidade internacional para repor a ordem. E avisou: ainda é o chefe de Governo.

Poder

“Considero-me primeiro-ministro legítimo da República da Guiné-Bissau porque fui eleito. O poder conquista-se na urna. O poder não se conquista na Secretaria. Ai de África, se continua a seguir este exemplo que a Cedeao quer nos impôr que nós não aceitaremos.”

Na altura em que foi detido, na sequência do golpe militar além de chefiar o governo guineense, Gomes Júnior era o primeiro colocado para a segunda volta das presidenciais.

Após a intentona, a ONU apelou à estrita observância dos princípios democráticos na Guiné-Bissau, tendo exigido que os militares retornassem aos quartéis.

Sanções

Em meados de Maio, uma resolução do Conselho de Segurança impediu um grupo de chefias militares liderado pelo chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, António Indjai, de sair do país.

Carlos Gomes Júnior contou à Rádio que vai exigir responsabilidades, após ter sido detido juntamente com o presidente interino, Raimundo Pereira e outras figuras políticas guineenses.

Estado de Direito

“Assim que as coisas se assentarem, naturalmente que vou constituir um coletivo de advogados para exigir responsabilidades. Responsabilidades pela forma como a nossa família foi tratada e como os nossos bens foram saqueados, dilapidados…não se é normal que num Estado de Direito possa passar-se uma situação como estas.”

Gomes Júnior contou que após a invasão dos militares até mesmo o cão da família foi morto.

Relativamente à sua intervenção nas Nações Unidas, a Rádio ONU perguntou que papel considerava que podia desempenhar em Nova Iorque.

Militares

“Isto de facto é grave. É grave e nós vamos encorajar a comunidade internacional. Só sancionar os militares não é a solução. Tem que se sancionar os civis que encorajaram este golpe de Estado.  Pensamos que a Cedeao deve refletir no que pretende. Não pode estar acima das Nações Unidas.”

O Conselho de Segurança pediu, igualmente, que os autores do golpe se abstenham de qualquer envolvimento na política e que respeitem as autoridades civis guineenses.

A ONU acompanha o processo de resolução da crise na Guiné’Bissau através do representante especial do Secretário-Geral para a África Ocidental, Said Djinnit.

via Novas da Guiné Bissau: Na ONU, Carlos Gomes Jr. pede restauração da ordem na Guiné-Bissau.

About these ads

Deixe aqui o seu comentário

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 53 outros seguidores

%d bloggers like this: